Dia 1. Deus, a minha inexcedível alegria

Salmos 43: 4 “Então irei ao altar de Deus, a Deus, que é minha grande alegria; e ao som da harpa te louvarei, ó Deus, meu Deus.”

Ir até aos Salmos, como leitura bíblica, é sempre uma boa ideia. Neles, encontramos todos os tipos de sentimentos derramados. Aqui no Salmo 43, ligado com o 42, encontramos três vezes a mesma pergunta:
“Porque estás abatida, ó minha alma, por que te perturbas dentro de mim?”, sempre seguida da afirmação: “Espera em Deus”.

Na Bíblia, encontramos estes movimentos que, à partida, nos parecem inconciliáveis: angústia e alegria, sofrimento e esperança, dor e confiança.

Para o cristão, a alegria está baseada no carácter de Deus. Esta alegria não é passageira ou dependente das circunstâncias. Tudo o que alcançamos, temos ou partilhamos são bênçãos que alimentam a nossa alegria. No entanto, a Bíblia afirma que a verdadeira fonte de alegria é Jesus. Desde o início vemos no plano de Deus com a vinda do filho: o Verbo feito carne para habitar entre nós e nos redimir. Esta lembrança traz-nos a certeza inabalável que Deus é a nossa rocha firme. É ele quem nos permite atravessar vales sombrios, momentos difíceis e desconhecidos, sempre na certeza de que ele é a nossa inexcedível, insuperável alegria que nos anima e acompanha.

“A alegria do Senhor é a nossa força” – Neemias 8:10b