Dia 2. Jesus, o Renovo de David

Isaías 11:1-2 – “Porque brotará um rebento do tronco de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará.
E repousará sobre ele o Espírito do Senhor, o espírito de sabedoria e de entendimento, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do Senhor.

Zacarias 3:8 – “Ouve Josué, sumo sacerdote, tu e os teus companheiros que se assentam diante de ti, porque são homens que representam coisas futuras. Eu trarei o meu servo, o Renovo.”

David ficou descrito como o homem “segundo o coração de Deus” e consegue, ainda hoje, ser um exemplo de um grande rei e de um grande pecador – sendo que neste último, o pecado não foi o que o definiu, mas a forma como se prontificou a se confessar, arrepender e ser perdoado. A ele foi feita a promessa de que um dos descendentes se sentaria no trono e que o trono desse reino permaneceria para sempre. Depois da morte de Salomão, seu filho, esta promessa parecia estar ameaçada: a divisão do reino, a idolatria presente e a desobediência geral não anunciavam nada de bom. Deus tinha sido claro de como esperava obediência do seu povo.

Durante séculos, foi isto que aconteceu: existia a promessa e ao mesmo tempo desobediência. Cabia aos profetas alertar acerca das consequências destas escolhas, relembrando verdades acerca de quem Deus é, do que ele exige, das consequências para o incumprimento e a lembrança de que nada frustra os seus planos, apontando para o desejo de redimir o seu povo. O confronto pretendia levar ao arrependimento, conduzindo à esperança.

Da casa de David viria o Messias. O renovo, o ramo frutificado que traria a redenção. Temos hoje esta certeza de que esta promessa foi cumprida: Jesus, o renovo de David, tomou o nosso lugar, está sentado à direita do Pai e um dia voltará. O seu reinado não terá fim!