Dia 6. Libertador

Recordo-me daquele dia de início de Primavera em 2009 como se fosse hoje: tinha uma encomenda para levantar no posto de correios e pretendia fazê-lo a seguir ao almoço. Não fui na hora programada porque o bebé da altura, o meu terceiro filho, tardou em acordar da sesta. Soube, pouco depois, que nesta vila pacata, um homem tinha sido baleado mortalmente à saída do posto de correio ao início daquela tarde. Não tivesse o meu filho demorado mais no seu sono, e quem sabe o que eu teria presenciado. Recordo-me do espanto do acontecimento e da sensação de que tinha sido poupada de algo naquela hora.

Tivéssemos oportunidade de ter acesso a cada dia de todos os pequenos detalhes assegurados para que chegássemos ao seu final em segurança, talvez não nos espantássemos quando imprevistos surgem, acidentes acontecem, catástrofes existem. Damos a gravidade por garantida, o oxigénio por assegurado e a segurança como um direito. Esquecemos a mão sustentadora de Deus que trata de tudo, e só nos lembramos de questionar Deus quando coisas erradas acontecem.

A palavra libertador aparece no Velho Testamento mais de mil vezes, e refere-se a todo o tipo de livramentos. Moisés surge como a grande figura de libertação do povo, e são inúmeros os episódios que são relatados acerca de como só Deus pode livrar o seu povo, dar-lhe libertação.

Tudo o que vemos relatado ao longo de séculos veio a revelar-se de forma grandiosa em Jesus, como a última e final libertação. Jesus veio libertar o cego da sua cegueira, a mulher doente da sua hemorragia, o coxo da sua limitação em andar. E tudo isso, Jesus faz para demonstrar o seu poder de libertar pessoas do seu pecado. Toda a vida de Jesus aponta para o seu desejo de cumprir o plano de redenção.

O Natal é a oportunidade de relembrarmos que o nosso Salvador aceitou conter-se num corpo, ao encarnar, para nos dar a verdadeira e suprema libertação espiritual. O corpo do Senhor Jesus, concebido de forma sobrenatural no ventre de Maria, cresceu entre nós, foi mais tarde torturado e suportou a ira do Pai sobre si, para que ira nenhuma nos fosse aplicada.

Jesus foi preso na cruz para que nós fôssemos libertados dela. Jesus, tu és o nosso Libertador!

Romanos 11:26 – “E, assim, todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador e ele apartará de Jacó as impiedades.”

2 Samuel 22:2 – “E disse: O Senhor é a minha rocha, a minha cidadela, o meu libertador;”