Dia 15. Presente de Deus

2 Coríntios 9:15 – “Graças a Deus, pois, pelo seu dom inefável.”

Por esta altura do Natal, ou qualquer outra do ano em que desejamos surpreender alguém, é muitas vezes difícil encontrar a prenda perfeita. Ou porque não sabemos assim tão bem o que aquela pessoa gostaria de receber, ou porque as nossas carteiras não podem suportar aquela prenda, são muitas as variáveis nisto de oferecermos alguma coisa que agrade, ao mesmo tempo que queremos entregar algo que tenha a nossa marca, que fique de recordação da nossa lembrança.

O Natal é acerca de um presente. O melhor de todos, aquele que não tem igual, que teve um preço elevadíssimo e que tantos teimam em não receber. Jesus é descrito como o dom inefável, o presente de Deus. Ele não só foi escolhido e preparado com o maior cuidado, como ele é adequado, essencial, apropriado a a quem o recebe.

Jesus não é um presente qualquer, ele reflecte directamente aquele que o oferece, o seu Pai. Ao nos lembrarmos que temos Jesus, nunca esqueceremos quem o fez chegar até nós e o que isso implicou, descer dos céus e encarnar. Além disso, Jesus vem suprir as necessidades que nós temos e que nunca poderíamos suprir: a nossa salvação, o resgate do pecado. Este dom inefável não passa de prazo, não se esgota, não se estraga, mantém o seu valor com o passar do tempo, porque ele é intemporal!

Nada fizemos para merecer esta tão bonita dádiva. Fomos amados desde o início pelo nosso Deus, e o Natal é sobretudo acerca de uma entrega atenta e cuidadosa, uma entrega apropriada e que nos assenta na perfeição. Cabe-nos ter as mãos estendidas e livres para a receber. Não temos de fazer mais nada, nem precisamos de preencher nenhum critério, é só aceitar.

Esta prenda é tudo o que precisamos, para o resto das nossas vidas. A prenda perfeita.

João 3:16 e 17 – “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que Deus o seu filho unigénito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.”