Dia 25. JESUS

Maria foi escolhida para ser mãe de Jesus e soube desta concepção sobrenatural sozinha. José soube por ela acerca do facto e não sei como terá sido este diálogo, mas não deve ter sido fácil. Se para Maria era certo que o seu ventre iria carregar um bebé, não percebendo bem como, para José havia uma alternativa: quebrar o noivado. Embora nesses tempos, o noivado já era um compromisso ao nível do casamento, mas sem coabitação ou intimidade, ele poderia alegar que a criança não era filha dele. A situação não ficaria simpática para Maria, mas imaginem um homem que nunca dormiu com a sua noiva, saber que ela está grávida. É durante este tempo de dúvida no coração de José que um anjo lhe aparece em sonhos.

“Enquanto ponderava nestas coisas, eis que lhe apareceu, em sonho, um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, porque o que nela foi gerado é do Espírito Santo.
Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos pecados deles.” – Mateus 1:20,21
De seguida, lemos:

“Despertado José do sono, fez como lhe ordenara o anjo do Senhor e recebeu sua mulher.
Contudo, não a conheceu, enquanto ela não deu à luz um filho, a quem pôs o nome de Jesus.” Mateus 1:24,25

A prontidão de José em obedecer, no meio de tão estranhas circunstâncias, inspira-me. José escolheu confiar, obedecendo.
O menino nasceu e teve o nome de Jesus. Veio para salvar o povo dos seus pecados, vivendo entre nós. Jesus, o nosso Salvador! Jesus! Quero ser confiante como Maria e como José, que confiaram no meio das incógnitas. Queremos receber-te Jesus, o nosso Senhor.