Fim do ano

[FIM DO ANO]

“Ó AMOR INCOMPARÁVEL,
Tu és bom quando dás,
quando tiras,
quando o sol brilha sobre mim,
quando a noite se põe sobre mim.
Tu me amaste antes da fundação do mundo,
e em amor redimiste a minha alma;
Tu ainda me amas,
apesar do meu coração duro, da minha ingratidão, desconfiança.
A tua bondade esteve comigo mais um ano,
conduzindo-me através de um deserto tortuoso,
quando em retirada, ajudando-me a avançar,
quando espancado de volta, certificando-se de me fazer prosseguir.
A tua bondade estará comigo no ano que vem;
Iço a vela e levanto a âncora,
Contigo como o piloto abençoado do meu futuro, tal como do meu passado.
Eu te bendigo por teres velado os meus olhos para as águas adiante.
Se determinaste tempestades de tribulação,
estarás comigo nelas;
Se eu tiver que passar por tempestades de perseguição e tentação,
Não me afogarei;
Se eu morrer,
Eu verei o teu rosto o quanto antes;
Se um fim doloroso for o meu destino,
concede-me graça para que a minha fé não desfaleça;
Se me banirem do serviço que amo,
Não estou em posição de dar ordens;
Glorifica-te em mim, seja no conforto ou na provação,
como um vaso escolhido que se encontre sempre para teu uso.”

“Year’s end” in ” The Valley of Vision” – tradução livre