Mulher de Pastor

[12 de Abril de 2016
Ana Rute Cavaco
Mulher de Pastor
Oeiras – Portugal]

Recordo-me de estar nesta conferência, há exactamente 6 anos, e de um amigo se ter aproximado de mim, lido o meu nametag e ter feito o comentário: “Que mau… puseram-te esse título?”, ao que eu respondi: “Não, fui eu que o seleccionei, quando me inscrevi”.

E era verdade. Aquando da inscrição online, os títulos que poderia escolher para mim eram variados: professora, líder de ministério infantil, plantadora de igreja, etc. Muitos me assentavam, mas eu escolhi aquele, porque naquele contexto era o que fazia sentido. Mais: era algo que me honrava, ao invés de quem olhava e achava que me colocava num papel secundário.

Talvez por isso, as bios que muitas das vezes temos de apresentar, possam ser um pesadelo para alguns, por acharem que não preenchem os requisitos ou que de alguma forma ficam diminuídos. A forma como vemos a construção da identidade é, toda ela, muito narcisista.

Recordo-me de estar grávida e dizerem: “Prepara-te, a partir de agora passas a ser a mãe de… nunca mais vais ser só tu”, como se isso fosse uma perda. Ou o facto de escolher colocar o apelido do marido, como se desonrasse a minha história, por assumir essas mudanças.

Isto dava pano para mangas, mas sempre olhei para todas estas alterações como acrescentos e melhorias. Além de ser a Ana Rute, também sou mãe. Além de ser casada com o Tiago, vai-se a ver e trabalho junto com ele. E poderia continuar.

Naquela conferência, não puxei títulos para mim que me poderiam dar mais destaque ou individualidade. Escolhi aquele que fazia com que eu estivesse ali, com o meu marido.

Até porque no dia mais importante de todos, o dia em que chegar ao céu, eu vou ser quem? A filha do Rei. Não vou entrar porque sou a Ana Rute com uma bio cheia de conquistas pessoais. Aliás, eu vou entrar por causa do que alguém fez por mim, vejam só. Vou entrar sem mérito nenhum, aceitar a enorme graça que me foi concedida e assumir o meu lugar de filha. Para sempre, irei ser a filha do meu Rei. E isso vai ser o melhor que me aconteceu. Vai ser maravilhoso.