18 anos

A minha filha mais velha, a Maria, faz 18 anos! Foi com ela que entrámos neste mundo novo, um mundo em que todos os dias descobrimos o quanto precisamos de Deus e o quanto Deus é bom, em todo o tempo.

A Maria foi aquela bebé que dormia as noites completas com um mês – e que não dava descanso o dia todo. Acordava a cantar e, quando começou a falar, tudo era um assunto, a ponto de depois de um dia de trabalho no carro, exausta lhe dizer que tinha passado o dia a ouvir pessoas, que precisava de silêncio. A resposta foi: ” Mas o que é que queres? A minha cabeça está cheia de pensamentos!”.

Era já criancinha quando a colocámos a ver a Ana dos cabelos ruivos. Chegou ao fim do primeiro episódio a dizer: “Esta miúda não se cala!”, comigo a acenar a cabeça: “Compreendes agora a minha vida, Maria?” – ficou fã da Ana.

Uns tempos depois, quando esteve ausente de casa por uns dias pela primeira vez, percebemos quanto silêncio existia por não estar.
Na porta do frigorífico, tinha deixado uma carta… cheia de palavras.

Tornou-se uma grande companhia para mim, nestas aventuras de estudar em casa e ser a primeira para tudo. Adaptou-se a diversos modelos,  enfrentou o desconhecido inúmeras vezes e aguentou-se com boa atitude.
Por estes dias, completou o 12° ano –  comprovando o quanto Deus a tem abençoado e o quanto ela se tem aplicado, enchendo-nos de alegria.

São 18 anos e muita graça sobre graça.

Parabéns, Maria! Que a tua cabeça e coração sejam sempre cheios de pensamentos do alto, e que tenhas muitas e boas palavras para espalhar.